FALE CONOSCO

Notícias

Voltar para listagem de notícias

14/03/2016

Dores intensas não podem ser ignoradas!

Dores intensas não podem ser ignoradas

 

Toda dor é sinal de que algo está errado em nosso organismo. O incômodo se manifesta por meio de sinais enviados pelos nervos ao cérebro, e este, por sua vez, se comunica com o córtex (região do cérebro), onde então os sinais são interpretados como dor.

Não é raro sentirmos algum tipo de dor. Segundo estimativas da Associação Internacional para o Estudo da Dor, conhecida pela sigla em inglês IASP, aproximadamente 80% da população mundial sofrem com algum tipo de dor e 30% sentem seus efeitos de forma crônica. Mas como podemos saber se estamos diante de dores passageiras, como as musculares, ou diante de dores que podem se tornar crônicas ou que são sinais de algum problema grave?

 

Curiosidade - Doenças que evitam dores

Os portadores de analgesia congênita ou da síndrome da neuropatia sensitiva autonômica hereditária são parcial ou totalmente insensíveis à dor.

Essas duas enfermidades raras se caracterizam pela falta de sensibilidade dos nervos periféricos, responsáveis por transmitir as sensações de dor para o cérebro.

Como não têm esse sinal de alerta do corpo, os portadores dessas doenças, no entanto, tendem a se machucar mais, sofrer mais fraturas e queimaduras, além de apresentar infecções que só são detectadas em estágios avançados.

"O importante é ficar atento ao quanto a dor incomoda", responde o dr. João Valverde Filho, anestesiologista e médico especialista em dor no Hospital Sírio-Libanês. "Se a dor for incomum ou começar a impossibilitar qualquer tarefa do dia a dia, é preciso procurar por ajuda médica com urgência", acrescenta.

Lembrar o que foi feito nos dias anteriores ao aparecimento da dor também ajuda a avaliar seus riscos, explica o médico. "Dores nas pernas após andar de bicicleta ou nos braços após começar um treino novo na academia tendem a ser musculares e devem passar em poucos dias", comenta. "Mas se a dor não tem nenhuma explicação ou nunca foi sentida antes, merece ser investigada", completa.

A automedicação é contraindicada para qualquer tipo de dor, pois algumas patologias agudas transformam-se em dores crônicas com o passar do tempo e tornam o tratamento mais difícil e prolongado.

Quando as dores representam perigo?

Apesar de a maioria das dores ser tratável, é importante ficar atento a qualquer tipo de incômodo que saia do habitual, principalmente aqueles que ocorrem de maneira súbita e sejam acompanhados de sintomas como vômito, náusea, diarreia ou tonturas.

Veja abaixo alguns tipos de dores que não podem ser ignoradas:

diabetes e o herpes-zoster são doenças que também costumam se manifestar a partir de dores em diferentes partes do corpo. Com o passar dos anos, as pessoas com diabetes podem ter danos nos nervos, sofrendo com dores, formigamentos ou perda de sensibilidade em mãos, braços, pés e pernas. O herpes-zoster, por sua vez, se manifesta principalmente com dores no tórax e na face.

Pronto Atendimento do Hospital Sírio-Libanês está habilitado para atender pessoas com qualquer tipo de dor aguda. Para os casos de dor crônica (que se estendem por mais de três meses), o hospital conta com o Núcleo de Medicina Avançada, um serviço em que as diversas especialidades da medicina atuam de maneira integrada para cuidar de cada paciente de forma única.

Ciente do impacto que as dores têm na qualidade de vida das pessoas, o Hospital Sírio-Libanês desenvolveu também o Núcleo de Dor e Distúrbios de Movimento. Nesse serviço, profissionais experientes das áreas de neurologia, neurocirurgia, fisiatria, anestesia, psiquiatria, psicologia, fisioterapia, entre outras, oferecem avaliação, tratamento e reabilitação de doentes com dor de natureza incerta ou resistente ao tratamento.

 

Fonte: www.hospitalsiriolibanes.org.br

Endereços de atendimento
Atendimento Médico AME   •   Hospitais de Atendimento   •   Serviço de Reabilitação

Instituto de Responsabilidade Social Sírio-Libanês
Matriz: Rua Peixoto Gomide, 337, Bela Vista, São Paulo - Telefone: 55 (11) 3016-0528
E-mail: faleconosco@irssl.org.br